A Guerra dos Cem Anos


A guerra dos cem anos aconteceu no final da idade média, entre 1337 e 1453, não foram 100, mas sim 116 anos de guerra entre a França e a Inglaterra. Os normandos, que haviam se estabelecido na Inglaterra, tinham coroado sua descendência como monarcas ingleses, estes possuíam na França grandes extensões de terra. Quando, na França, foi extinta a dinastia dos Capetos, o rei Felipe de Valois foi nomeado seu sucessor.

Antecedentes da Guerra:

O rei Eduardo III da Inglaterra almejava o trono da França alegando ser descendente dos Capeto pela linhagem materna, visto que sua mãe, Isabel, seria irmã de Luis, Felipe e Carlos, filhos de Felipe, o formoso, e sentiu-se traído com a ascensão de Felipe de Valois, que assumiu como Felipe VI. Os franceses alegavam a impossibilidade de coroar Eduardo III, baseados na lei Sálica, que impedia a sucessão por via feminina. 


Além disso, a França pretendia adquirir, sob o seu domínio, a província de Flandes, por meio da vassalagem.Assim, Eduardo, como vingança, acolheu em sua corte um parente de Felipe, Roberto de Artois, que havia se rebelado contra sua autoridade. Diante desta situação, Felipe invadiu e se apoderou de Gasconha, propriedade francesa.

Mapa da Guerra

O exército francês estava composto por nobres e o inglês por pessoas de todas as classes sociais. Na batalha naval de Sluys, em Crécy e Poitiers, os franceses foram derrotados. Somente Paris resistiu aos anos de miséria e opressão.

O rei João da França foi feito prisioneiro, assim como sua corte e isto o obrigou a negociar o tratado de Brétigny-Calais, assinado em 1360, data em que Eduardo III recuperava suas posses originais, com exceção da Normandia. Os ingleses recuperaram definitivamente Guines, Marck e Calais.



Após o tratado de Calais, vieram alguns anos de paz, mas, com a retomada do conflito, a França recuperou alguns territórios, devido à ação de du Guesclin. Uma nova derrota da França, depois da batalha de Agincourt, expôs este país à possibilidade de contar com um rei inglês: Enrique V.

Joana D'Arc Entra na Guerra:


Em 1429, uma francesa chamada Joana D’Arc deu outros destinos para esse conflito. Liderando um pequeno exército organizado pelo monarca Carlos VII, essa lendária guerreira conseguiu reconquistar a região de Orleans do domínio inglês. Logo em seguida, a euforia causada com essa conquista também possibilitou a retomada de Reims. Imediatamente, os ingleses ficaram alarmados com os feitos daquela desconhecida camponesa.

Enquanto Carlos VII foi aclamado como novo rei da França, os ingleses planejavam capturar e assassinar Joana D’Arc. Aprisionada graças aos esforços do duque de Borgonha, Joana D’Arc foi oferecida aos tribunais eclesiásticos sob a acusação de bruxaria. Julgada e condenada, a heroína francesa foi queimada viva na cidade Rouen, no ano de 1431. Com isso, os ingleses almejavam abafar uma possível reação militar por parte da França. 

No entanto, as conquistas empreendidas pela santificada guerreira mobilizaram a população francesa em novas batalhas contra a Inglaterra. Espelhados em Joana D’Arc, os franceses impuseram seguidas derrotas aos exércitos britânicos. 


Em 1453, a conquista da cidade de Bordeaux obrigou os ingleses a admitir sua derrota, dando fim à Guerra dos Cem Anos. Depois disso, a monarquia francesa ganhou amplos poderes sob a tutela do rei Carlos VII.

Para Entender
Filme: Joana D'arc (1999,com Leelee Sobieski)

Fonte do Texto: Guerras/Brasil Escola
Edição Total: História Espetacular

7 comentários:

Anônimo disse...

muito interessante vou divulgar o blog na faculdade, curso história na uniabeu, e é sempre bom mostra a história para todos .

Benito Annunciato disse...

Muito boa a dissertação sobre a Guerra dos 100 anos. Contudo, sua leitura suscitou-me uma dúvida:
a morte de Joana D'Arc foi orquestrada pela Inglaterra ?

Ciro disse...

"visto que sua mãe, Isabel, seria irmã de Luis, Felipe e Carlos, filhos de Felipe, o formoso"

seria não, era. um mito corrente e achar que havia reis ingleses combatendo franceses, o que não e verdade os reis da Inglaterra na época era da dinastia dita Plantageneta (casa condal de Anjou) eram franceses, apesar de algum argumentarem que seriam normandos não eram, grande parte do seu poder vinha da França e não do titulo de rei da Inglaterra.

uma parte do exercito dos Plantageneta eram composta por mercenários irlandeses e galeses e ate mesmo franceses de outra províncias não controladas pelos Valois.

se convencionou dizer que a Inglaterra lutou com a França por um motivo básico a Inglaterra no seculo XIX se tornou uma potencia e seu "herdeiro" EUA e a atual potencia dominante então mentir para projetar o nome de seu povo tornou se necessário.

durante a idade media o prestigio e força da Inglaterra na Europa eram igual ao prestigio que a Bolívia tem no cenário mundial, mas eu pergunto ja ouviu falar por exemplo na coroa de Aragão que dominou o mediterrânico durante mais de um seculo? e o que falar de Portugal que enquanto a Inglaterra alugava barcos dos flamengos para navegar ele ja estavam explorando a africa.

william haddad disse...

mandou bem

Guilherme disse...

Muito obrigado amigo , eu me formei no ensino médio agora ,irei cursar História também , obrigado pela ajuda amigo isso me ajuda muito a fazer as postagens e é claro quanto mais pessoas se interessarem por História e cultura melhor ,pois é isso que nosso país precisa , até mais e obrigado novamente

Guilherme disse...

valeu amigo , sim infelizmente a Inglaterra esteve por trás da morte de Joana D'Arc pois representava um perigo para os ingleses , com isso eles fizeram um acordo com o bispo da frança e julgaram ela como sendo 'herege e bruxa', e assim queimaram a garota que salvou a frança.

OBS: Assista Ao filme, 'Joana D'Arc' com Leelee Sobieski , explica direitinho o que acontece até+ amigo !

Bruno Ferreira disse...

Olá caro colega gostei do seu blog e parecido com o meu nos poderiamos fazer uma parceria ok me manda um e-mail
brunopf_12@hotmail.com
o meu blog é
http://historiabruno.blogspot.com

Postar um comentário